top of page

Temos que falar sobre autocuidado e ativismo

Ao enfrentar o desafio de salvar o mundo, você é o seu recurso mais valioso


A crise climática é a maior ameaça à humanidade. Mas se você está lendo isto, provavelmente está ciente disso, por isso vou poupá-lo do discurso sobre a urgência de agir. Eu gostaria de seguir em frente e fazer a você, ativista, uma pergunta importante:


Você está cuidando do seu bem mais importante para ajudar o mundo: a sua vida?

Ser um ativista é muito importante, mas muitas vezes acarreta muitos custos emocionais se não for tratado de maneira adequada. Freqüentemente, ativistas envolvidos em causas sociais têm profundos investimentos emocionais e profundos sentidos de responsabilidade para criar mudanças. Muitos deles estão ficando sobrecarregados com o tamanho da ameaça da crise climática e obtêm o que está sendo conhecido no campo das mudanças climáticas como burnout do ativismo.


No momento estamos mais precisando de ativistas, estamos vendo muitos deles quebrando, e isso é alarmante. Precisamos construir uma cultura que nos permita cuidar de nós mesmos, para que possamos cuidar do planeta.


Como se engajar em causas, permanecendo resiliente e não permitindo que elas nos consumam?

Antes de discutirmos como podemos disseminar a cultura do autocuidado no ativismo para evitar buracos, primeiro precisamos desconstruir a ideia de que o autocuidado é egocêntrico ou supérfluo. Ao falar sobre ativismo, o pressuposto cultural é que o autocuidado é uma expressão de egoísmo. Especialmente porque a causa pela qual você está lutando pode ser muito pessoal para você, é fácil presumir que é uma causa de vida ou morte. Mas a realidade é que o ativismo é na verdade uma batalha de longo prazo, que exigirá muita resiliência.


Portanto, um dos maiores desafios para o autocuidado é ter consciência de que ser um bom ativista não significa ter que sofrer. Precisamos mudar o discurso e reconhecer que o autocuidado é, na verdade, a coisa mais fortalecedora que podemos fazer por nossas causas. Sua vida é a ferramenta mais importante para você agir. Se você realmente se preocupa com a causa pela qual está lutando, precisa estar em forma, física e emocionalmente.



Como disseminar a cultura do autocuidado entre ativistas


Freqüentemente, estamos falando sobre sentimentos opressores ao tomar medidas para enfrentar as mudanças climáticas. Com base em nossa experiência, sugerimos as seguintes dicas para dar o pontapé inicial e começar a cuidar melhor de si mesmo como ativista:


Aprenda mais sobre você para desenvolver mecanismos de enfrentamento:

o esgotamento pode fazer você pensar que está quebrado, mas não é tão preto ou branco, mas sim um indicador de que algo não está certo. É o momento perfeito para conduzir uma investigação sobre seus sentimentos, as causas e os sintomas de angústia. Pesquise seus sentimentos e teste quais mecanismos de enfrentamento. Seja meditando, praticando exercícios, ouvindo música, aprenda o que funciona para você. E quando você perceber que não está indo bem, tome uma atitude e, se necessário, desça. Amanhã será outro dia.


See the bigger picture and develop a strategy:

É importante reconhecer que o ativismo é um esforço de longo prazo. Para tornar sua jornada ativista sustentável, propomos que você desenvolva uma estratégia para agir, planejar e reunir forças. Pesquise, aprenda e encontre mentores para pensar em sua jornada de ativista como uma carreira, que você nutre com paciência e dedicação. Com isso, você poderá canalizar os esforços e aumentar as chances de ver progresso em suas causas. Além disso, isso o tornará mais forte para enfrentar o racismo, sexismo, xenofobia, intolerância religiosa e outras dificuldades que você encontrará pelo caminho (é uma triste verdade, mas reconhecer que eles existem e são maiores do que você irá protegê-lo).


Junte-se a uma organização e construa uma rede:

Visto que o ativismo é uma missão que inclui reunir forças, o autocuidado vai além de ser uma preocupação do indivíduo com seu próprio bem-estar, mas um objetivo coletivo. Ter uma rede o ajudará a se curar melhor e mais rápido e será útil para você encontrar oportunidades de crescimento. Dito isso, convidamos você a se juntar à Rede YCL!

Peça ajuda se necessário

Precisamos desconstruir também o conceito de que a vulnerabilidade é uma fraqueza. Fomos criados em uma cultura que valoriza pessoas que possui grandes conquistas conquistadas por si mesma. E cuidar de si mesmo deixa a presunção de que você é vulnerável e precisa de cuidados. E isso também tem que mudar. Se você precisar de suporte, sua rede estará à sua disposição, compartilhando as mesmas preocupações e estresses de ser um ativista.


Apoie pessoas e organizações

Depois de você ficar bom em cuidar de si mesmo, volte para sua comunidade e apoie os outros ao seu redor, ensine os outros sobre como cuidar de si mesmos também. Isso fará com que você se sinta ótimo e elevará seu papel como ativista.


Para concluir, gostaria de convidá-los a ver o vídeo TED abaixo de Yana Tavanier, que fala sobre um novo termo chamado "Playtivismo", uma nova forma de agir e defender a mudança.

Espero que você comece agora a se cuidar, querido ou querida ativista. E até lá!


Comments


DSC_8763_edited.jpg